51 2108.2108
Área do Associado
esqueci minha senha

Notícias

12/04/2019

Novo Hamburgo, agora conta com um serviço inovador para atender a população: A implantação de um consultório farmacêutico independente, que dará o suporte necessário aos pacientes oncológicos e idosos da região

Associada: Saúde Plena 

O  consultório farmacêutico  é uma das modalidade de serviços que a Saúde Plena - Cuidando de Você  está apostando para benefício à população. O primeiro do estado a ser implantado no formato independente e o município de Novo Hamburgo se torna, portanto, pioneiro nesse segmento da saúde.

A farmacêutica clínica, Tanya Schwingel, que está à frente do consultório, conta que a iniciativa fez parte do projeto pessoal, visto que o profissional farmacêutico é quem detém o conhecimento técnico e autonomia para este fim  e diz que será um aporte a mais aos médicos para dar continuidade ao tratamento dos pacientes.

Com a implantação do consultório farmacêutico, é assegurado aos pacientes o acompanhamento feito por um profissional devidamente capacitado para orientá-los sobre o uso adequado dos medicamentos, já que muitas vezes eles adquirem os medicamentos, mas acabam muitas vezes usando os de forma inadequada ou até mesmo descontinuam o tratamento por falta de auxílio de um profissional competente", afirma Tanya Schwingel.

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) teve papel decisivo na consolidação da farmácia clínica. O órgão trouxe um marco a este setor, ao editar a Resolução Nº 585, de 29 de agosto de 2013, que regulamenta as atribuições clínicas do farmacêutico.

A Saúde Plena oferece serviços clínicos farmacêuticos, especialmente ao paciente oncológico e idosos, em um espaço reservado e confortável para que a farmacêutica possa fazer um atendimento personalizado, tendo como objetivo ajudá-lo a controlar seus problemas de saúde e a fazer uso seguro de seus medicamentos. "Fica mais fácil cuidar da sua saúde quando você tem à sua disposição um farmacêutico clínico de confiança”.

Sabe-se que a prevalência de doenças crônicas degenerativas em idosos é exorbitante, e resulta em terapêuticas medicamentosas prolongadas ou contínuas, ressalta Tanya. Desta forma a relação farmacêutico-paciente implica principalmente em confiança, contribuindo para o sucesso do seguimento farmacoterapêutico, bem como possibilita um maior relacionamento entre os profissionais de saúde e o paciente, tornando o tratamento mais eficaz e capacitando o idoso a lidar com os possíveis efeitos colaterais e interações medicamentosas, contribuindo para a adesão ao tratamento como também promover qualidade de vida na melhor idade.

Em contrapartida, a atenção farmacêutica à pacientes oncológicos é de suma importância, pois o tratamento geralmente é por um longo período e demanda muitos medicamentos, e em alguns casos, os pacientes têm doenças concomitantes (diabetes, depressão, hipertensão) que fazem com que se utilize ainda mais medicamentos, denominada polifarmácia, comenta Tanya. E nesse momento, o farmacêutico, pode exercer a prática da atenção farmacêutica para diminuir as dificuldades do paciente em relação aos medicamentos e corroborar para a solução dos Problemas Relacionados com os Medicamentos (PRMs)  (anemias, náuseas e vômitos, fraqueza, dores musculares, entre outras).

Tanya ressalta ainda que, até pouco tempo, o farmacêutico na oncologia quase nunca tinha contato com o paciente, e suas atividades eram meramente logísticas e na manipulação. Atualmente, com o incremento da farmácia clínica na oncologia, o farmacêutico adquiriu outras atribuições que envolvem o seguimento farmacoterapêutico dos pacientes e a farmacovigilância destes medicamentos.

Os clientes poderão agendar sua consulta no horário (segunda a sexta das 8h às 18h através do telefone: 51 3134 0977 ou 51 99133 8864.
Lembrando que esse atendimento não substitui a consulta médica e os atendimentos terão um valor diferenciado aos associados da  ACI NH.
"O farmacêutico clínico não veio para tomar o lugar do médico, mas para intermediar a relação entre pacientes e médicos. Somos um elo para agregar qualidade de vida ao paciente”, diz Tanya.

Fonte: Saúde Plena